Jedi Tux

Bash – comandos, argumentos e a importância das apas

Posted in 5584, Linux by Fernando Basso on 4 de janeiro de 2012

Intro

Interactive mode: modo de operação onde um prompt de comando espera que você digite um comando por vez.

Script: um arquivo que contém uma sequência de comandos para serem executados um após o outro.

Ao iniciar o Bash, bash –posix ou set -o posix se o Bash já está em execução coloca o Bash em modo POSIX.

No Arch Linux (e quase todas as outras distribuições), /bin/sh é um symlink para /bin/bash. Se o Bash é invocado com o nome “sh”, ele tenta imitar o comportamento de versões históricas do sh o melhor possível, enquanto conformando com o padrão POSIX. Neste modo, o Bash lê os arquivos de inicialização e então entra em modo de compatibilidade com o padrão POSIX.

/etc/profile é lido por todos todo Bourne-compatible shell no login. Ele configura o ambiente e carrega configurações específicas a certas applicações (/etc/profile.d/*.sh).

.profile é lido pelo Bash quando um shell com login interativo é iniciado.

.bashrc é lido pelo Bash quando um interativo non-login shell é iniciado, por exemplo, quando alguém abre um console virtual (x terminal) a partir de um Window Manager ou Desktop Environmen (Openbox, LXDE, Gnome, KDE, etc.). Este arquivo é útil para configurar o ambiente de shell específico do usuário.

Leia mais: https://wiki.archlinux.org/index.php/Bash

Comandos e Argumentos

 O Bash lê linhas do terminal (usuário digitando comandos) ou de arquivos. Cada linha é uma comando – uma tarefa para ser executada.

 IMPRTANTE: O Bash divide cada linha em palavras. Palavras são separadas por espaços.

 A primeira palavra em uma linha/comando é o nome do comando. Todas as outras (palavras) são os argumentos que são passados para o comando especificado.

 echo This is a test echo → é o nome do comando;

this → é um argumento.

is → outro argumento.

a → mais outro argumento.

test → ainda mais um argumento – e o último, no exemplo.

 MAS:

echo"This is a test"

echo → é o nome do comando.

“This is a test” → é um único argumento.

 As aspas não são parte do argumento. O Bash as remove antes de lidar com o argumento.

 CUIDADO: Digamos que temos dois arquivos em um diretório. Os arquivos são:

“The secret voice in your head.ogg”

“secret”

 “secret” contém um segredo muito importante que pode salvar o mundo.

E agora você faz:

 rm The secret voice in your head.ogg

 O Bash vai pensar que você passou seis argumentos, e um deles é “secret” – seu venerado arquivo. Você recebeu erros porque o comando rm não conseguiu remover/encontrar os arquivos “The”, “voice”, “in”, “your”, e “head.ogg” (já que eles não são arquivos por si próprios), exceto “secret”, é que sim um arquivo. É por isso quo Bash reclamou dos outros mas não reclamou de “secret”. Agora o pior: o arquivo chamado “secret” já era. Para sempre se foi (não tem lixeira na linha de comando), e a música (que é o que queríamos deletar) ainda está lá. A maneira correta é usar apas:

 rm “The secret voice in you head.ogg”

Assim, você está agrupando todas as palavras em um único argumento. Descanse em paz. O “segredo” está seguro agora.

 Veja este próximo caso.

 [ é um comando, similar ao comando test. Se testarmos alguma coisa assim:

 [-f file.txt]

 …está errado. -f não deve estar “colado” ao [. Devemos separá-los. [ é o nome do comando, portanto uma palavra. -f é a segunda palavra (um argumento), file é a terceira palavra (outro artumento) e o ] é o ultimo argumento – que é mandatório toda vez que usamos [. Esta é a maneira correta (note os espaços):

 [ -f file.txt ]

 A propósito, uma maneira mais aconselhável ainda é colocar o nome do arquivo entre aspas (você já viu o que pode acontecer se um nome de arquivo contém espaços, e não o protejemos com aspas).

 [ -f “my file” ]

É boa prática sempre usar apas.

 Uma dica rápida: use o perl-rename para mudar todos os espaços nos nomes dos arquivos por underscores:

 perl-rename ‘s/ /_/’ ./*.txt

 …para arquivos .txt (mude a extensão para outros tipos de arquivos), ou

 perl-rename ‘s/ /_/’ ./*

 …para todos os arquivos do diretório.

 NOTA: No Arch Linux, no nome é perl-rename. prename em outras distros – não confunda com rename, que é um comando bem simplificado e não faz o que o exemplo mostra. (Se não me engano já vi uma distro em que rename era na verdade o um symlink para o perl-rename).

Este conteúdo é basicamente um tradução livre do (excelente) site:

http://mywiki.wooledge.org/BashGuide

Este conteúdo não é, de forma alguma, mérito meu, mas sim dos proprietários do site acima mencionado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: